avaliação da produtividade técnico-científica dos docentes

Avaliação da produtividade técnico-científica dos docentes de uma IES

O monitoramento das atividades e do volume de produção C&T (científica e tecnológica) de docentes e pesquisadores é um procedimento padrão em IES (Instituições de Ensino Superior) no Brasil. Esse levantamento de dados – geralmente obtido por meio de relatórios de produtividade técnico-científica – permite à gestão universitária identificar competências e fragilidades em seu corpo docente, além de sustentar decisões relativas aos investimentos e à distribuição de recursos entre docentes e alunos de pós-graduação e de iniciação científica.

 

Leia mais:

>> Como identificar fortalezas e lacunas de conhecimento em sua IES

 

O Currículo Lattes do CNPq é sem dúvida um dos principais repositórios de informações curriculares dos diversos atores do SNCTI (Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação). Atualmente, essa base de dados armazena currículos de cerca de 5 milhões de pessoas, com aproximadamente 20 mil atualizações diárias.

Para que as IES possam utilizar essa rica fonte de informações para avaliar a produtividade técnico-científica de seus docentes e pesquisadores, apoiar seus processos de gestão estratégica e de tomada de decisão, é preciso que estabeleçam diretrizes e instruam seus colaboradores sobre o correto preenchimento do currículo Lattes, a fim de que todos os dados que interessem à instituição sejam fornecidos adequadamente.

Contudo, falta de informação, informações incompletas ou erros no preenchimento do currículo Lattes são recorrentes e costumam acarretar prejuízos para a instituição e para os próprios docentesSe isso ocorre, do ponto de vista interno, a gestão encontra dificuldades para mensurar com precisão quais atividades o docente/pesquisador desempenha em sua vida acadêmica (ensino, coordenação de grupo de pesquisa, participação em projetos, pesquisa, etc.) e qual a relevância dos seus trabalhos publicados.

Em outro prisma, a deficiência de informações pode comprometer objetivos de pesquisadores que lutam por progressão na carreira, por bolsas de produtividade ou demais fomentos à pesquisa junto ao governo federal ou ao setor privado. Neste post destacamos alguns pontos que merecem atenção dos gestores e pesquisadores das IES no que tange o preenchimento de informações curriculares.

Informações incompletas sobre atividades do docente/pesquisador

Os docentes comumente desenvolvem uma gama de atividades nas IES. O preenchimento de dados sobre a produtividade técnico-científica geralmente é demorado e não raramente costuma ser feito por terceiros, que nem sempre entendem a real importância dessas informações e acabam deixando o currículo incompleto e/ou desatualizado.

Além de suas experiências e atuações profissionais, os docentes também ministram disciplinas, participam de projetos de pesquisa, extensão e desenvolvimento tecnológico, publicam os resultados de suas pesquisas em congressos e eventos, orientam alunos de graduação e de pós-graduação, participam de bancas avaliativas, entre outras. A gestão da IES deve ter todas as informações referentes a essas atividades em detalhes.

Por isso é importante conscientizar os docentes sobre a importância do detalhamento das informações a serem fornecidas no Currículo Lattes e os gestores sobre a necessidade de deixar claro e acessível a todos os membros da comunidade acadêmica as diretrizes sobre periodicidade, prazos e instruções para atualização dessas informações.  

Informações deficientes sobre produtividade técnico-científica

Um dos aspectos mais importantes a se avaliar em relatórios de produtividade técnico-científica dos pesquisadores é sua contribuição para o avanço da área de conhecimento em que se inserem, e isso se traduz na quantidade e na qualidade de suas publicações cientificas.

Tais indicadores bibliométricos, baseados na contagem de itens de publicações bibliográficas (ex: artigos, livros e capítulos de livros) e de trabalhos técnicos, auxiliam as IES a estabelecerem seus processos de avaliação, o credenciamento junto a órgãos reguladores e a gestão estratégica. Auxiliam também os pesquisadores a progredirem na carreira, a competirem por recursos financeiros e auxílios dentro e fora da instituição.

Mas para que tenham valor, essas informações precisam estar completas. No que tange especificamente os artigos completos publicados em periódicos, produção que tem o maior peso, deve-se prestar atenção no correto preenchimento do DOI, ISSN, página inicial, edição e volume do periódico no qual foi publicado, bem como da lista de autores, os quais devem ser identificados na base Lattes no momento do preenchimento das informações.

Preocupado em aumentar a confiabilidade dessas informações, o CNPq vem realizando integrações com bases de dados internacionais, com o Web Of Science e Scopus, a partir das quais importa automaticamente dados sobre os artigos mediante a correta informação do DOI/ISSN pelo usuário. Importante salientar também que o formato do nome do autor, informado no campo “Nome em citações bibliográficas” do módulo “Identificação” do Currículo Lattes (pode-se cadastrar mais do que um nome de citação) deve ser igual à forma como seu nome foi citado no artigo. Se for o caso, atualize o campo “Nome em citações bibliográficas” antes de realizar o cadastro de um novo artigo no CV-Lattes.

Avaliação da produtividade dos pesquisadores e a gestão da informação

O CNPq, reconhecendo que a Plataforma Lattes é uma base de dados pública, tanto no que se refere ao ingresso quanto à recuperação das informações através da Internet, disponibiliza alguns mecanismos para que as IES possam ter acesso aos dados de seus grupos de pesquisa e dos currículos dos seus professores, pesquisadores, alunos e colaboradores, com o objetivo integrar os dados do Lattes aos seus sistemas de informação, gerar indicadores internos que mensuram a produtividade técnico-científica, realizar estudos através da aplicação de ferramentas de mineração de dados, e apoiar a implementação de políticas de gestão.

A sistematização das informações da Plataforma Lattes e o cruzamento com outras importantes fontes de informação em C&T disponíveis na web (ex: Qualis Periódicos, fatores de impacto do periódico segundo a ISI Web of Knowledge, SCImago, Scopus, Google Scholar, etc – dados de bolsistas CNPq, de projetos financiados, entre outras) faz-se necessária para uma avaliação mais sistêmica, fidedigna e contextualizada da produtividade cientifica da instituição e de seus pesquisadores.

Sabemos, por exemplo, que a Capes utiliza a régua do Qualis/Periódicos para avaliar a produção CT&A dos programas de pós-graduação, respeitando os estratos atribuídos por cada uma das áreas de avaliação para os periódicos, fato que gera diversas distorções de classificação. No entanto, se estivermos falando de uma avaliação individual de pesquisadores que pleiteiam progressão na carreira ou concorrem em editais de fomento, métricas alternativas devem ser consideradas na avaliação da qualidade da produção científica, como os fatores de impacto Google Scholar, JCR, SJR e SNIP (este inclusive contextualiza o número de citações de itens publicados no periódico por área do conhecimento).

A Stela Experta©, por exemplo, utiliza os serviços de extração de dados da Plataforma Lattes para sistematizar informações sobre os grupos de pesquisa da IES, os currículos de seus colaboradores, e incorpora diversas outras fontes de dados (ex: bolsistas PQ/DT do CNPq, fatores de impacto JCR, SJR, Scopus h-index e está finalizando a incorporação do SNIP). A solução está sendo utilizada por mais de 30 IES brasileiras, apoiando a gestão estratégica de informações em CT&I.

 

2 Comentários

Postar um comentário