CV-Lattes

Atualizar o Lattes: por que eu deveria me importar?

Atualizar o currículo Lattes é uma tarefa individual e particular, que pode até ser motivo de brincadeiras ou de protestos na Web, mas pode ser relevante no posicionamento profissional em sistemas regionais e nacional de CT&I.

Toda vez que o pesquisador, o professor, o estudante ou o profissional atualiza o seu CV Lattes, ele ou ela está decidindo o que será público em sua trajetória. Para isso, esta tarefa toma tempo, não somente de informar dados, mas para se fazer escolhas sobre o que se quer evidenciar e o que se vai deixar em segundo plano (ou mesmo fora da plataforma).

Uma das áreas de menor inovação na Plataforma Lattes tem sido a que visa incluir serviços de facilitação da atualização de seus dados (há poucos recursos, limitados ao aproveitamento de seus próprios dados e à importação de dados dos artigos via DOI).

Com isso, atualizar um currículo é sempre visto como uma tarefa burocrática e até mesmo de utilidade duvidosa por muitos usuários. E aí surgem algumas perguntas: quais são as consequências de não se atualizar um currículo por um longo período de tempo? Afinal, a atualização nas redes sociais não é suficiente para ser alcançado nos dias de hoje?

Mesmo que as redes sociais ocupem o cotidiano de todos, inclusive, claro dos que atuam em ciência, tecnologia e inovação, e ajudem na visibilidade, troca de informações e mesmo coprodução de conhecimento, elas não substituem o papel do currículo Lattes nos sistemas de CT&I regionais e nacional do País.

É comum não se dar muita atenção para a atualização do próprio CV Lattes, porque se acredita que isso prejudica somente seu próprio autor ou, ainda, que somente quem tem pretensões acadêmicas é que deveria se preocupar em se manter atualizado na Plataforma Lattes.

Mas, na verdade, nenhuma dessas suposições é verdadeira. Em um universo com pouco mais de 4 milhões de CV Lattes faz toda a diferença ter os dados sempre atualizados, não importa qual objetivo profissional o profissional tenha.

Manter o CV Lattes atualizado é importante não somente na trajetória profissional em CT&I, mas para coletivos que dela dependem. Currículo Lattes desatualizados causam 2 tipos de problemas: individuais – que afetam apenas o autor do currículo – e coletivos – que pode afetar os diferentes coletivos em que seu autor atua (ex. grupos de pesquisa, cursos de graduação, programas de pós-graduação e a instituição de vínculo).

O papel estratégico que a Plataforma Lattes ocupa papel nos sistemas de CT&I a tornou referência para processos de recrutamento, seleção, avaliação, acompanhamento, planejamento, financiamento e diversas outras instâncias de tomada de decisão. Com isso, pode ser um equívoco o relaxamento na sua atualização de dados, como ilustramos a seguir.

Que problemas um CV Lattes desatualizado pode provocar?

A seguir exemplificamos 2 problemas individuais e 2 consequências coletivas causadas por currículos Lattes desatualizados.

1. Impacto na visibilidade profissional

Muitas pessoas acham que o CV Lattes importa apenas para quem vai fazer carreira na academia. Contudo, devido à transversalidade de CT&I, isso não é verdade na prática. Da mesma forma como o perfil profissional e as informações em redes sociais como o LinkedIn pode contar pontos no posicionamento profissional no mercado de trabalho, o perfil atualizado (ou desatualizado) na Plataforma Lattes pode causar efeitos em quem procura profissionais formados ou em formação técnico-científica.

Ao compreender a importância de cuidar de seu perfil público, o pesquisador, docente ou discente de uma IES entende o Lattes como mais uma plataforma para a qual deve dar atenção para ser encontrado por diferentes audiências. Ainda que seja verdade, as IES são as que mais utilizam as informações da Plataforma Lattes como uma fonte básica de informações, mas também as empresas têm cada vez mais se valido deste recurso para buscar por especialistas e especialidades.

Processos como recrutamento e inovação aberta de companhias e organizações tanto privadas como públicas encontram na Plataforma Lattes informações sobre profissionais potenciais candidatos a alguma vaga ou oportunidade, dependendo do perfil com que podem ser identificados. Em processos de recrutamento, por exemplo, os profissionais de recursos humanos necessitam de dados sobre a formação, trajetória profissional, experiências compatíveis e atuação em projetos afins aos que sua empresa necessita. Na Plataforma Lattes essas informações estão detalhadas nos perfis curriculares (diferentemente de outras plataformas, como o LinkedIn, que não tem esta preocupação).

Assim, quando um determinado perfil é encontrado, mas se apresenta desatualizado, pode haver prejuízo para a imagem de seu autor, porque a desatualização pode parecer despreocupação ou relaxamento profissional.

2. Perda de oportunidades profissionais

Não importa se o CV Lattes é de um pesquisador, de um professor, de um discente/egresso de curso de pós-graduação ou de um profissional, deixar o currículo desatualizado pode deixar seu autor de fora dos radares das IES, grupos de pesquisa, empresas e organizações.

Quem procura talentos e produtos e utiliza a Plataforma Lattes como recurso de busca acaba não achando quem não atualiza o currículo. Isso ocorre em diferentes ocasiões, pois o CV Lattes é utilizado por vários sistemas de busca.

O Portal Inovação, por exemplo – que oferece acesso das competências nacionais às empresas, agentes e demais atores de inovação do País – só inclui em suas buscas os currículos que estão atualizados na Plataforma Lattes (nos últimos 18 meses). O mesmo vale para vários outros serviços, como concursos públicos de universidades federais, que usam integralmente o CV Lattes; processos de seleção de diversos cursos de pós-graduação; agências estaduais de fomento à pesquisa; entre outros.

Quando o CV Lattes está desatualizado há muito tempo, o efeito prático é de saída do sistema de CT&I, a companhia aos profissionais que não estão mais atuando no mercado. Quem deixa de atualizar o currículo por mais de dois anos coloca em dúvida a atividade que pode estar desenvolvendo e/ou que já desenvolveu. O efeito prático imediato é que o indivíduo deixa de ser encontrado e, com isso, pode perde oportunidades para atuar em sua área.

Para além dos impactos individuais, currículos desatualizados trazem consequências negativas para a visibilidade e acompanhamento do perfil de coletivos nos sistemas de CT&I.

Quando uma pessoa está atuando na graduação ou na pós-graduação, por exemplo, seja pesquisando, dando aula ou estudando, qualquer atualização em seu currículo Lattes pode fazer diferença para o curso em que está inserido. Um docente que deixa o seu cargo desatualizado ou um estudante que não informa quando participa de um projeto ou de um evento estão impactando negativamente no coletivo do programa Falemos, a seguir, de dois exemplos.

3. Produtividade de cursos de graduação e pós-graduação

A produção docente de um determinado curso é um dos principais critérios da avaliação da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). Ao não atualizar o currículo Lattes o docente causa dificuldades ao coordenador do curso em que atua, pois esse necessita levar todas as informações curriculares, de forma consolidada para a Plataforma Sucupira da Capes para, somente então, ver os itens de produção intelectual contados para o programa.

Esta desatualização não impacta somente a avaliação continuada na Capes, mas a própria representatividade do curso no sistema nacional de CT&I. Não raro cursos e universidades divulgam, também em suas plataformas e sites, os dados de produção intelectual docente para manter o portfólio de realizações divulgado à sociedade e, também, para manter a busca por oportunidades em parcerias tanto com iniciativa privada como com a pública.

4. Perfil e impacto da formação de cursos de graduação e pós-graduação

Os currículos Lattes de estudantes e de formados têm sido fonte relevante para se analisar o perfil de formação de cursos de graduação e, especialmente, pós-graduação.

Assim, ao manter atualizado seu currículo o aluno contribui na análise e, por vezes, na avaliação de seu curso (ex. em indicadores de produção técnico-científica discente).

Coordenadores e docentes devem comunicar o corpo discente sobre a importância de manter os currículos atualizados e, preferencialmente, fazer uso das informações disponíveis, se desejarem que seus cursos tenham perfil da produção discente atualizado.

Talvez ainda mais importante para os cursos do que a atualização dos estudantes matriculados seja o acompanhamento dos currículos de seus formados (egressos). A análise curricular de coletivos de egressos permite verificar o impacto da formação ofertada pelos cursos, em termos de colocação profissional e de produção intelectual.

No caso da pós-graduação, produções intelectuais de egressos até três anos após a data de defesa do mestrado ou o doutorado ainda contam pontos para o respectivo programa da IES, quando da avaliação por parte Capes.

Portanto, quando o profissional deixa de atualizar seu CV Lattes, tanto durante como depois de concluído seu curso, deixa de contribuir para o coletivo do qual ele fazia parte.

Sem comentários

Postar um comentário